notícias

Importância do controle de pulgão do milho em períodos de estiagem

11/05/2021

Importância do controle de pulgão do milho em períodos de estiagem
Fotos: site maissoja.com.br

Durante todo seu ciclo a cultura do milho é suscetível ao ataque de pragas, dentre elas o pulgão do milho. Trata-se de um inseto pequeno, esférico, verde claro, verde azulado ou acinzentado. A rapidez de desenvolvimento das ninfas e a longevidade dos adultos são fortemente influenciados pela temperatura. Quanto mais alta for a temperatura, mais rápido se desenvolvem as ninfas do pulgão. A temperatura ideal para seu desenvolvimento vai de 10 ºC a 35 ºC, sendo que em temperaturas acima ou abaixo desses limites, as ninfas interrompem seu crescimento.

A forma adulta do pulgão pode ser apresentada de duas formas, com ou sem a presença de asas. O desenvolvimento das asas na espécie pode ser observado quando a população do inseto é alta, a fonte de alimento está se esgotando ou as condições ambientais são desfavoráveis ao inseto. Esse desenvolvimento de assas também é responsável pela dispersão das colônias entre as plantas na lavoura, explica o engenheiro agrônomo da Unidade Copagril de Iguiporã (Marechal Cândido Rondon),Joelson Adonai Czycza.

O pulgão do milho se alimenta nas partes novas da planta, ficando geralmente dentro do cartucho, o que dificulta sua visualização e controle. O profissional da Copagril reforça que em condições de estiagem e altas temperaturas a população de pulgões tende a aumentar rapidamente, resultando na infestação de todos os tecidos novos como o pendão e gemas florais.

“Os maiores danos proporcionados pela praga são evidenciados quando a infestação ocorre na fase de desenvolvimento vegetativo, com estimativas de perdas que podem chegar a 60% da produção. Sendo que a praga suga a seiva do floema da planta proporcionando murcha e promove o surgimento de espigas incompletas ou estéreis”, explica Joelson.

O pulgão do milho também é relacionado por proporcionar danos indiretos na cultura, como a transmissão de viroses. Outro dano indireto que pode ser relacionado é o desenvolvimento de fungos devido ao excremento açucarado da praga.

O controle da praga pode ser realizado mediante acompanhamento e recomendação do engenheiro agrônomo. A equipe da Copagril está disponível para mais informações e realizar as orientações técnicas aos cooperados e clientes da região de atuação.

Fotos:


Foto: Site www.pioneersementes.com.br

Outras Notícias:


Sede Administrativa
Rua Nove de Agosto, 700
Marechal Cândido Rondon - PR
CEP: 85960-000

Fone: (45) 3284-7500 -
Redes Sociais
SAC
Copyright® Copagril - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade Produzido por BRSIS